Call Of Duty permanecerá no PlayStation por enquanto, informa Bloomberg

Com a iminente compra da Activision Blizzard pela Microsoft anunciada na semana passada, pouco foi dito sobre quais jogos multiplataforma atualmente planejados como Diablo ou o imensamente popular Call of Duty verão a luz do dia em consoles não-Xbox no futuro. Agora pode ser a hora de dar um suspiro de alívio para os fãs da prolífica franquia de atiradores que possuem hardware PlayStation. De acordo com um relatório de Jason Schreier, da Bloomberg , o PlayStation ainda será um lugar para jogar pelo menos mais três títulos de Call of Duty.

Schreier conversou com um punhado de fontes não identificadas familiarizadas com os acordos entre a Activision e a Sony antes do anúncio da compra histórica. Diz-se que os três títulos são o seguimento de Modern Warfare desenvolvido pela Infinity Ward deste ano, juntamente com um jogo dirigido pela Treyarch, que assumimos estar programado para o próximo ano. O terceiro lugar é uma atualização do bem-sucedido modo Battle Royale Warzone, que se destaca como uma entidade separada na franquia Call of Duty após seu lançamento em 2020.

Isso se alinha com as ações da Microsoft após a compra da Bethesda , vendo os acordos existentes para lançar jogos em plataformas rivais como originalmente pretendido. Deathloop e GhostWire: Tokyo , por exemplo, estão vendo esses contratos se desenrolarem conforme o planejado. Esse parece ser o caso de Call of Duty, embora os planos para títulos da Blizzard como Overwatch 2 e Diablo IV, que supostamente teriam suporte multiplataforma, ainda sejam muito desconhecidos. Na semana passada, informamos sobre um tweet do chefe do Xbox, Phil Spencer, onde falou sobre esse assunto, dizendo: "Tive boas ligações esta semana com líderes da Sony. Confirmei nossa intenção de honrar todos os acordos existentes na aquisição da Activision Blizzard e nosso desejo de manter Call of Dever no PlayStation. A Sony é uma parte importante de nossa indústria e valorizamos nosso relacionamento."

A intenção da Microsoft, como diz Spencer, é manter Call of Duty no PlayStation, nos que a Activision já prometeu.